Durante os três meses de escuridão, micro-organismos, vermes, e minhocas reinaram absolutos, devorando tudo, transformando tudo. Agora que abri a composteira, o que sobrou foi adubo, afinal.

Bem, nem tudo são flores ou, no caso, adubo. Sempre haverá restos orgânicos que não foram decompostos ainda e para separá-los você vai precisar de uma peneira, dessas de pedreiro. No caso da minha composteira, gastei uma hora nessa excelente atividade aeróbica. O que vai facilitar ou dificultar essa etapa é o quão seco o composto está. Normalmente ao retirá-lo da composteira, ele ainda estará um pouco úmido. Então o melhor e esparramá-lo sobre um plástico e deixá-lo secar ao sol por um tempo.

DSC_3158.JPG

Na foto acima já está o adubo depois de peneirado. O que sobrou na peneira, eu devolvo para a composteira. Na verdade, guardo para ir jogando aos poucos por sobre os restos novos de matéria orgânica que vou colocando na composteira.

Como podem ver, o adubo, depois de peneirado tem cara de terra, como deveria ser, e nenhum cheiro. Agora é só guardar e ir usando na horta, vasinhos e quintal. Eu costumava usar sacos grandes para isso, mas sob protestos das minhas costas, resolvi fracioná-lo e envasá-lo em garrafas. Como tenho pequenos mamíferos em casa, o que não falta aqui é garrafa de leite. São ótimas para adubo (e para leite, claro). Deixe secar bem ao sol antes de colocar nas garrafas, para evitar que crie fungos.

A produção da minha composteira, como podem ver, rendeu 12 litro de adubo.

Anúncios