Meu último projeto foi uma encomenda. Não que eu tivesse sido propriamente contratado. Foi mais uma conversa informal sobre algo que eu poderia me interessar em fazer. Funcionou. Fiquei interessado e fiz. Mas deixemos de suspense que também não é para isso tudo e além do mais, o título já entregou o jogo.

Este fim de semana fiz uma pequena prateleira para cozinha. Resolvi que a faria em madeira, algo nobre, e não em MDF, que alguns insistem em chamar de madeira ou, para soar menos mentiroso e mais sustentável, madeira ecológica.

Comecei na sexta buscando a matéria prima: um painel de eucalipto de 60x30x1.8cm (R$27 na Leroy Merlin). Essa espessura é um exagero para uma prateleira pequena, mas, como não encontrei uma peça mais fina, fiquei com essa mesmo. Notaram que é um painel e não uma tábua de eucalipto? Pois é, painel também é ecológico, sabia? Um painél são vários pedaços de madeira (de verdade) encaixados e colados para formar um “tábua”.

Uma dificuldade em trabalhar com eucalipto é que é uma madeira dura, mais difícil de lidar que o pinus (madeira que usei no projeto do suporte para bicicletas), principalmente se você só tem ferramentas rudimentares, como eu. Mas ai está a vantagem da Leroy Merlin. Comprando a peça lá, e pegando uma fila básica, eles cortam a peça segundo seu projetinho, sem custo adicional. Dica: confira as medidas no final.

Além da madeira, só é preciso material básico, como lixas, cola, parafusos, seladora e verniz. Para incrementar, resolvi esconder os parafusos com cavilhas. Fica mais chique. Comprei também um ripa de eucalipto para fixar na frente da prateleira. Eu ia usar o pedaço de 50x3cm, mas achei que ficaria grosso demais. Olha aí o esqueminha.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Logo no começo percebi que uma das peças ficou maior que o esperado. Ai tive que adaptar, criando um canto arredondado com o arco de serra. Até que ficou charmoso. Depois fui lixar todas as peças. Esse painel já vem bem lisinho, o que facilita. Apliquei duas demãos de seladora e outras duas de verniz. Eu só conhecia seladora a base de solvente, com aquele cheirinho que até tira a fome do marceneiro. A que eu comprei foi a base de água, inodora… Isso consumiu quase o sábado inteiro pois entre cada demão, são duas horas de secagem.

No domingo, com todas as peças prontas, faltava colar e aparafusar. Nos parafusos da lateral, para que não ficassem aparente, inseri cavilhas. Serrei o excesso com o arco de serra, lixei para dar acabamento e passei verniz. Só ficou faltando instalar. Depois mostro como ficou na parede.

Anúncios